Festival da Sardinha da Caponga deve impulsionar economia local

Começa hoje (5) o tradicional Festival da
Sardinha da Praia da Caponga, que neste ano chega à 12ª edição. Com um
público diário estimado em cerca de dez mil pessoas, o evento é um dos
mais importantes para a economia da cidade, tanto para o comércio como
para o setor hoteleiro, superando a movimentação no Carnaval e
Réveillon. A iniciativa, que une gastronomia e atrações culturais, vai
até domingo (8).
“No ano passado, as vendas no comércio foram duas vezes maiores do
que no Carnaval, e a ocupação em hotéis e pousadas superou a do
Réveillon, recebendo turistas nacionais e estrangeiros”, diz Mamede
Rebouças, coordenador geral do evento. “Neste ano, estamos defendendo a
sustentabilidade econômica da Praia da Caponga. Ao todo, são 57 estandes
vendendo produtos”. O festival contará também com ações de incentivo
social e de fomento à economia criativa e à gastronomia.
Todos os expositores são microempreendedores da região da Caponga,
capacitados pelo Sebrae, em parceria com a Associação de Chefes de
Cozinha do Ceará (ACC).
Além de ações sociais, a organização promoverá oficinas de qualidade
de atendimento, de boas práticas na manipulação de alimentos e de
culinária à base de sardinha e frutos do mar. “O Festival da Sardinha
foi feito para dar visibilidade e sustentabilidade para a Praia da
Caponga e já se mostra um grande sucesso”, diz Rebouças.
Pensando na qualificação dos empreendedores do litoral leste, o
Sebrae no Ceará realizou, em 2011, o programa Excelência na Qualidade,
que capacitou turmas nos municípios de Cascavel, Beberibe, Aracati e
Icapuí, e beneficiou 85 meios de hospedagem, restaurantes, lanchonetes,
bares e barracas de praia. Durante o evento, serão construídas 20 bancas
para os empreendedores e as mesmas ficarão de legado para a cidade.
“Temos uma parceria antiga com o Sebrae que tem sido muito importante
para o desenvolvimento econômico da região”, endossa o coordenador.
Além da gastronomia, as ações são voltadas para o fomento do
artesanato e cultura local. A exemplo dos anos anteriores, o concurso de
desenho do festival é um dos principais destaques da programação. Ele é
realizado com alunos de escolas públicas e privadas do distrito da
Caponga, em Cascavel, incluindo os ensinos fundamentais I e II. Os
trabalhos classificados serão estampados nas velas das jangadas que
participam da regata de encerramento, no domingo. Os pescadores também
participarão de um seminário sobre preservação ambiental e respeito ao
defeso.
Estrutura
O festival conta com palco para shows, arenas de gastronomia e
empreendedorismo e uma feira que faz alusão à Feira de São Bento, de
Cascavel, que será realizada na Praça do Sardinhão, localizada na via
que liga as praias de Caponga e Águas Belas. A proposta dos
organizadores é oferecer ao público uma ampla variedade de pratos de
baixo custo à base de sardinha com receitas criadas pelos chefs da
região.
Para entrar no evento, o visitante terá de entregar um quilo de
alimento não perecível. “O festival aderiu aos objetivos de
desenvolvimento sustentável da ONU e irá destinar todo o alimento
arrecadado à Campanha Natal Solidário. Os alimentos recebidos são
revertidos em cestas básicas para serem doadas a famílias carentes do
distrito da Caponga”, diz a organização. Hoje, amanhã (6) e sábado (7), a
programação vai das 18 horas até meia-noite. E no domingo (8) começa a
partir de 10 horas, horário da regata de jangadas, finalizando às 15
horas.

(Diário do Nordeste)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *