Ataque a bancos teve planejamento no presídio de Juazeiro do Norte

A dica para o ataque aos dois bancos localizados
em Milagres partiu de um presídio em Juazeiro do Norte. Os homens
naturais do Cariri tiveram a ideia no cárcere semanas antes e repassaram
a informação dos “dois coelhos de uma só tacada” para os comparsas
soltos. Na pequena Milagres, de uma só vez, se teria Banco do Brasil e
Bradesco no melhor momento: cofres cheios para pagamentos. No entanto, o
plano seria frustrado pois o Centro de Operações Policiais Especiais
(Cope) de Sergipe avisaria ao Ceará às 8h da manhã de 6 de dezembro do
ataque que ocorreria na cidade.
A quadrilha caririense que poderia fazer o roubo estava
desarticulada, com a parte de “inteligência” do banco presa havia alguns
meses. “A saída foi repassar para colegas de Alagoas e Sergipe que
também se encontravam presos, mas com muitos outros ‘amigos’ soltos e
que poderiam fazer o serviço”, disse uma fonte (identidade preservada), a
partir de conversas entre presos em Juazeiro do Norte.
Do lado de fora, um homem conhecido apenas como “Fernando”, morador
de Milagres, seria um dos principais idealizadores do ataque. Não
participante ativo de facções, é um “acima de qualquer suspeita”. O
ataque em Abaré, na Bahia, no início do mês de novembro, seria o último
antes da empreitada no Ceará. Baseados numa casa, ao lado de um bar no
município Barro, cerca de 12 homens se organizavam com pelo menos cinco
dias de antecedência em meio a armas e explosivos. A Polícia prendeu o
proprietário da casa que deu suporte à quadrilha, e contou detalhes do
planejamento. Disse quase tudo.
“Prisões naquela área foram decisivas para perceber toda a operação
da quadrilha, mas o elo dessas pessoas de Milagres com a quadrilha de
integrantes sergipanos e alagoanos não ficou muito clara ainda”, afirma
um investigador da Polícia Civil, que não confirma o nome de “Fernando”
por faltar maiores avanços nessa parte da investigação. “Infelizmente,
essa parte sobre a origem da ação dessa quadrilha não avançou muito. Do
que sabemos, há uma dificuldade ainda em documentar”.
Questionado pela reportagem sobre informação obtida a partir de
fontes do presídio de Juazeiro, o policial confirma que uma das linhas
de investigação aponta para alguém de Milagres que teria auxiliado na
planejamento. Está solto. Há relatos no cárcere de que, se preso for,
não será bem recebido pelos presos da quadrilha que teve membros mortos.
“Ficou um sentimento de traição”, disse um detento.

(Diário do Nordeste)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *