Tratamento com pele de tilápia recebe Nobel da Medicina

O projeto que utiliza a pele da tilápia para tratamento de queimaduras, desenvolvido na Universidade Federal do Ceará (UFC), recebeu o Prêmio Abril & Dasa de Inovação Médica, na categoria Inovação em Tratamento, considerado o “nobel da medicina brasileira”. 
Durante a competição, o projeto Pele da Tilápia passou por três etapas da seleção: adequação do projeto ao regulamento; júri para escolha dos finalistas, três para cada uma das cinco categorias; e votação popular. Na etapa final, o projeto da UFC concorreu com duas iniciativas, desenvolvidas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP) e pelo Hospital das Clínicas de Porto Alegre (HCPA). 
O vencedor foi anunciado no dia 8 de novembro, em São Paulo.
Resultado de parceria entre o NPDM, o Instituto de Apoio ao Queimado (IAQ) e o Centro de Tratamento de Queimados do Instituto Dr. José Frota (CTQ/IJF), o método consiste em utilizar a pele de tilápia como um curativo biológico, auxiliando na cicatrização de pacientes com queimaduras.
 “O uso da pele da tilápia está revolucionando o tratamento das queimaduras, que há mais de 60 anos vêm sendo tratadas com sulfadiazina de prata”, destaca o Prof. Odorico de Moraes.
 A atadura feita com o material também ajuda a diminuir a dor, a evitar a perda de líquidos dos tecidos, a prevenir contaminações e a reduzir o número de troca de curativos.
 O tratamento, que já ocorre de forma experimental no Ceará e em outros estados brasileiros, está em fase de avaliação para ser utilizado no Sistema Único de Saúde (SUS). 
Com informações do Cnews.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *