Presos de Altamira são mortos dentro de caminhão durante transferência para Belém

Quatro envolvidos na briga entre facções que resultou no massacre do presídio de Altamira
foram mortos durante o transporte para Belém, segundo a Secretaria de
Estado de Segurança Pública (Segup). Com isso, o número de mortos no
confronto chega a 62. 
Os novos crimes ocorreram entre os municípios de Novo Repartimento e
Marabá na noite de terça-feira (30). Os presos eram levados algemados
dentro de um caminhão, divido em duas celas. Os corpos foram encontrados
na manhã desta quarta (31) com sinais de sufocamento. 
De acordo com a Segup, os mortos seriam da mesma facção e ocupavam a
mesma cela no Centro de Recuperação Regional de Altamira. Os outros 26
presos que estavam no veículo e que seriam levados para a capital estão
em isolamento. 
O caminhão tem quatro celas e a capacidade para até 40 preso – no
momento dos crimes, 30 eram transportados. O Estado informou que não
possui caminhão com celas individuais. 
De acordo
com a Segup, 21 presos já estão em Belém. Todos chegaram na terça-feira
(30). Dezesseis são líderes de facções e dez deles irão, posteriormente,
para o regime federal, os demais serão redistribuídos nas
penitenciárias estaduais. 
O governo do Estado confirmou a chegda de 40 agentes da Força-Tarefa de
Intervenção Penitenciária (FTIP) em Belém na tarde desta quarta, para
atuarem em atividades de guarda, vigilância e custódia de presos. 
Um confronto entre facções criminosas dentro do presídio de Altamira
causou a morte de 58 detentos. Na segunda-feira (29), líderes do Comando
Classe A (CCA) incendiaram cela onde estavam internos do Comando
Vermelho (CV). De acordo com a Superintendência do Sistema Penitenciário
do Pará (Susipe), 41 morreram asfixiados e 16 foram decapitados. Na
terça, mais um corpo foi encontrado carbonizado nos escombros do prédio. 
Após as mortes, o governo do estado determinou a transferência imediata de dez presos para o regime federal. Outros 36 seriam redistribuídos pelos presídios paraenses.
(G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *