País tem quase 1,3 milhão de casos e 443 mortes por dengue este ano

A dengue causou a morte de 443 pessoas este ano, até o dia 30 de junho, em todo o País, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde.
O número é 233% maior que as 133 mortes registradas no mesmo período de
2018. Foram registrados 1.281.759 casos de dengue no país, ante 183.829
casos em período igual do ano passado – alta de 584%, segundo a pasta.
A região Sudeste apresenta o maior índice epidêmico, com 1.040 casos
por 100 mil habitantes, seguida pelo Centro-Oeste, com 1.038 casos a
cada 100 mil pessoas. Os Estados de Minas Gerais (2.034 por 100 mil),
Goiás (1.395/100 mil) e Mato Grosso do Sul (1.267/100 mil) destacam-se
pela maior incidência de infectados. São Paulo
tem 902 casos a cada 100 mil habitantes. No período, são 410.991 casos
prováveis no Estado e 175 mortes confirmadas. A doença é transmitida
pelo mosquito Aedes aegypti
Nesta segunda-feira, 15, a prefeitura de Campinas,
interior paulista, confirmou a quinta morte por dengue este ano. A
vítima, um idoso de 92 anos, morreu após internação em hospital
particular. A cidade contabiliza 25.218 casos confirmados da doença. A
prefeitura informou que o número de casos vem caindo desde o final de
maio. A Vigilância Epidemiológica de Araraquara atualizou, nesta
segunda, o número de casos na cidade. Agora, são 15,2 mil casos
positivos e cinco mortes confirmadas.

Chikungunya

Até 30
de junho, este ano, foram registrados 79.788 casos de chikungunya,
doença também transmitida pelo Aedes, em todo o país. No mesmo período
do ano passado, foram 68.524 – aumento de 16,4%. A região Sudeste
apresenta incidência mais elevada, de 70,6 casos a cada 100 mil
habitantes – no Rio de Janeiro, a proporção é de 330 casos por 100 mil
pessoas.
De janeiro ao fim de junho, este ano, a doença causou a
morte de 21 pessoas – 19 no Rio de Janeiro, 1 na Bahia e 1 no Distrito
Federal. Também foram registrados, até 15 de junho deste ano, 7.705
casos prováveis de zika no país – em 2018, no mesmo período, eram 5.601.
Neste ano, não foram confirmados óbitos por zika.

Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *