Ex-militar que matou estudante nordestina na Nicarágua será libertado

 
 
A Justiça da Nicarágua determinou que o ex-militar Pierson Gutiérrez
Solís, responsável pela morte da estudante brasileira de medicina
Raynéia Gabrielle Lima, seja libertado.
Solís tinha sido condenado a 15 anos de prisão – 14 pelo homicídio e um
pelo porte ilegal de armas – em novembro de 2018, mas foi beneficiado
pela Lei da Anistia, aprovada em junho deste ano. Sua soltura foi
determinada nesta terça-feira (23) por juízes da primeira turma do
Tribunal de Apelações de Manágua, exatamente no dia em que a morte de
Raynéia completa um ano.
Solís, de 42 anos, disparou diversas vezes contra o carro da estudante,
de 30 anos, que cursava o sexto ano de Medicina na Universidade
Americana (UAM). Ela morreu com “um tiro no peito que afetou o coração, o
diafragma e parte do fígado”, de acordo com o reitor da UAM, Ernesto
Medina.
Segundo o jornal “El Nuevo Diário”, Solís disse na época que conversava
com dois vigilantes quando viu o carro onde estava Raynéia se movendo
“de forma errática” em “atitude suspeita”. Um dos colegas disparou um
tiro preventivo, e, então, ele atirou e atingiu a brasileira. Solís foi
preso em 27 de julho de 2018 com uma carabina M4, o mesmo tipo de
armamento que teria sido usado para matar Raynéia.
O crime aconteceu no auge de uma onde de protestos contra o presidente
Daniel Ortega, que sofreram violenta repressão. Os conflitos, que
envolveram ainda a ação de grupos paramilitares, deixaram centenas de
mortos.
Lei de Anistia

A lei que beneficiou Pierson Gutiérrez Solís foi aprovada pelo
Parlamento da Nicarágua, de maioria pró-governo, em 8 de junho. A Lei de
Anistia concede perdão “a todas as pessoas que participaram nos eventos
que ocorreram em todo o território nacional a partir de abril de 2018
até o presente”.
O governo informou que “em cumprimento ao estabelecido na Lei de Anistia
aprovada pela Assembleia Nacional (…) foram libertadas pessoas
condenadas por crimes contra a segurança comum e contra a tranquilidade
pública, e continua-se preparando a libertação de outros presos por
esses delitos”.
Organismos de direitos humanos e familiares das vítimas protestam contra
a nova lei porque ela impede o julgamento dos responsáveis pela morte
ou repressão de seus parentes.
 
O POVO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *