Você está em: Home NACIONAL Paciente relata rápida cicatrização de queimadura com uso de pele de tilápia


"Quando retirei a pele de tilápia, a queimadura já estava praticamente sarada e só precisei usar uma pomada para concluir o processo de cicatrização. Hoje, a cicatriz está bem clarinha e uso apenas um protetor solar e um creme hidratante." O relato é da microempresária Aline Joca, que fez uso da pele de tilápia por apenas seis dias, após ter parte da barriga queimada com água quente. 

Em um tratamento convencional, o tempo de cicatrização seria três vezes maior, com trocas diárias de curativos, o que proporciona dor e utilização de remédios para evitar contaminação. "A pele da tilápia tem três fatores importantes no processo de cicatrização de uma ferida: a grande quantidade de colágeno tipo 1, que é uma proteína importante na cicatrização; a distensibilidade, pois ela é muito elástica; e o grau de umidade", explica o médico Edmar Maciel, coordenador da pesquisa. 

Segundo ele, a pele da tilápia é um curativo biológico temporário que fecha a ferida "evitando a contaminação de fora para dentro, a desidratação e as trocas diárias de curativos".

Diversificação das áreas

Mas não é só no tratamento de queimaduras que a pele pode ser utilizada. "A pesquisa agora vai se concentrar também em outras áreas, como a urologia, a odontologia, a otorrinolaringologia, e a área de feridas nos pés diabéticos, nas úlceras varicosas e na ginecologia, como foi feito pelo grupo da Maternidade-Escola [Assis Chateaubriand], na reconstrução de vagina – com sucesso – em duas pacientes', explica. 

Nesta quinta-feira (13), a Universidade Federal do Ceará inaugura em Fortaleza o primeiro banco de pele de tilápia do país. Iniciada em 2015, a pesquisa do curativo com base em animais aquáticos é inédito no mundo, segundo os pesquisadores.

Apesar da criação do banco, o material ainda é exclusivo para a pesquisa científica. "Essa produção daqui é exclusivamente para a pesquisa. Mil lotes – que estão prontos no banco – é uma quantidade muito pequena e a produção industrial é gigantesca, para que possa atender à demanda", explica Edmar Maciel. 

Antes da produção em larga escala, é necessário passar por todos os protocolos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. "Essa etapa de processamento é para a gente concluir a pesquisa e poder registrar na Anvisa. Essa pele também será fornecida a outros estados a partir do próximo semestre para que possam participar de estudos multicentros". Nesta etapa, serão integrados ao estudo pesquisadores do Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Goiás. 

Banco de Pele

O banco será coordenado pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da UFC, em parceria com o Instituto de Apoio ao Queimado (IAQ). O banco de pele ficará na sede do NPDM, na Rua Coronel Nunes de Melo, no Bairro Rodolfo Teófilo. 

O professor Odorico de Moraes, coordenador do NPDM, será responsável pela direção do banco, que terá ainda a coordenação médica de Edmar Maciel, presidente do IAQ, e coordenação de enfermagem de Cybele Leontsinis, do Centro de Tratamento de Queimados do Instituto Dr. José Frota (IJF).
 
 
G1/CE 
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire