Você está em: Home NACIONAL “O que nos assustou foi a crueldade”, diz familiar de jovem morta por três mulheres


Foi num clima de comoção que familiares e amigos deram nesta segunda-feira o último adeus a Kelly Regina Correa, 19 anos, assassinada com pedradas e facadas por três mulheres no último sábado ao chegar em casa em Curitiba. A Polícia Civil do Paraná investiga o caso - suspeita-se de crime passional - e já identificou a mentora do crime.
Kelly era natural de Ponta Grossa e se mudou no ano passado para Curitiba, onde trabalhava numa rede de supermercados. Elizeu dos Santos, tio da vítima, mantinha contato com a sobrinha por redes sociais, já que permaneceu na cidade do interior paranaense. Ele se chocou com a brutalidade com que ela foi morta.
"É muito triste. Vivemos num mundo que está tendo muita barbaridade. As pessoas se esqueceram de Deus. Isso deixa a gente chocado", afirmou. "Não existe morte boa, mas o que nos assustou foi a crueldade. Houve requintes de crueldade. Vamos supor que a pessoa não gostasse dela e desse um golpe com a faca... Mas o que deixou a gente chocado foi a forma como aconteceu".
Apesar da violência do crime, o clima no velório da jovem, na Capela Municipal do Boqueirão, em Curitiba, e no enterro, em Almirante Tamandaré, não era de revolta. "Houve comoção, muita gente chorando, mas não revolta. Minha cunhada e boa parte da família é evangélica, com mentalidade diferenciada. Acreditamos muito em justiça divina. Se tiver que ser feito alguma coisa, Deus que vai fazer. A mãe dela é religiosa. Não havia clima de retaliação", explicou Elizeu.
Reprodução/Facebook
O tio conta que acompanhou praticamente toda a vida da vítima, já que conheceu a esposa, irmã da mãe de Kelly, pouco depois do nascimento da menina. Eles chegaram a morar juntos por três meses em Ponta Grossa. "Tinha uma grande afinidade por ela, um sentimento diferente", comentou Elizeu, que confia que as responsáveis pelo assassinato da sobrinha serão encontrados.
"Tenho plena confiança de que os órgãos competentes vão fazer da melhor forma possível e ter resposta concreta do que aconteceu. Que tudo seja elucidado para que nunca mais alguém passe isso. Não existe idade boa hora pra morrer, mas ela tinha só 19 anos, muitos sonhos... Era uma jovem bonita, que sempre trabalhou. Teria oportunidades de ser feliz", concluiu.
A dor das amigas
Kika, 21 anos, era amiga de Kelly e também chegou a morar com a jovem por um curto espaço de tempo. A manicure foi de Ponta Grossa a Curitiba para se despedir nesta segunda-feira.
"Ela era uma pessoa muito alegre, humilde, que se dava bem com muita gente. Era feliz, sempre com sorriso no rosto, e muito trabalhadeira. Trabalhava desde os 13 anos, seja em restaurantes como garçonete, em eventos e até na praia. Foi uma brutalidade", lamentou.
Como está em Ponta Grossa, Kika disse não ter tido informações sobre o possível relacionamento que pode ter custado a vida da amiga. "Pelo que me contaram, o rapaz com quem ela se envolveu era casado, mas não contou pra ela. Parece que foi preso há uma semana".
Tainara, 21 anos e também amiga da vítima, não entende os motivos para tanta violência. "É um absurdo. Ninguém merece não ter como se defender. São pessoas que não têm coração"
O caso
Kelly Regina Correa, 19 anos, foi morta com brutalidade por pedradas e facadas de três mulheres na noite do último sábado no bairro Pinheirinho, em Curitiba. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da capital paranaense iniciou as investigações.
De acordo com a delegada Aline Manzatto, responsável pelo caso, a jovem foi abordada pelo trio assim que chegou em casa na Rua Pedro Zavarski. Informações preliminares apontam que duas das suspeitas seguraram a jovem e impediram que ela entrasse, enquanto a mentora do crime iniciou as agressões.
Testemunhas relataram que a jovem chegou a levar pedradas antes de ser esfaqueada. A Polícia Civil já identificou a principal autora do crime e também está em busca das duas comparsas.
O motivo do assassinato seria um problema passional: Kelly estava trocando mensagens com o namorado da autora, que está preso, e chegou a discutir verbalmente com a suspeita na sexta-feira. Antes do crime, segundo a polícia, ela também foi ameaçada por telefone.
A polícia analisa áudios e mensagens do celular da vítima e também câmeras de segurança do local do crime que possam ajudar na elucidação do caso. Familiares de Kelly também deverão ser ouvidos na delegacia. 
UOL
Caderno: NACIONAL
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire