Você está em: Home CEARA Açude Cauhipe, em Caucaia, é o sétimo a sangrar no Ceará; agricultores comemoram


O açude Cauhipe, em Caucaia, é o sétimo reservatório monitorado pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) a sangrar no Ceará. O volume de água chegou a 100% no domingo (2).

Com volume máximo de 60 milhões de metros cúbicos, o açude não sangrava há cinco anos. O sangramento foi um alívio e trouxe esperança para os agricultores da região. "Nós estamos só iniciando o mês de abril, que para nós é o que chove mais e é o que a gente espera maior índice de chuva e a gente tá contando que ele vai ficar sangrando até maio, e com sorte início de junho", afirmou José Mardes.

O açude abastece três comunidades, com 162 famílias de agricultores. Para José, a a novidade significa um bom ano. "Agora é um ano bem tranquilo, despreocupado, que com certeza a gente vai ter fartura", disse o agricultor.

O subsecretário de Agricultura, Francisco Norberto, comemorou o sangramento. "Isso é uma riqueza muito grande dada por Deus, pela dificuldade que essa comunidade em geral estava sofrendo", alegou.

Até a tarde desta terça-feira (4), os 153 açudes monitorados apresentam volume médio de 11,2%. 108** deles ainda possuem volume inferior a 30%. Além do Cauhipe, os outros açudes sangrando são:

Acaraú Mirim, em Massapê
Caldeirões, em Saboeiro
Valério, em Altaneira
Itaúna, em Granja
São Pedro, Timbaúba, em Miraíma
Maranguapinho, em Maranguape

TV Diário
Caderno: CEARA
Obs.: Os comentários abaixo postados, não refletem as opiniões do Ipu Notícias
Comentários
0 Comentários

0 comentários

Faça seu Comentário

Todos os comentários são lidos e moderados previamente
São publicados aqueles que respeitam as regras abaixo:

- Seu comentário precisa ter relação com o assunto da matéria
- Não serão aceitos comentários difamatórios
- Em hipótese alguma faça propaganda de outros sites ou blogs

OBS.: Comentários dos leitores não refletem as opiniões do IN

2010 - Portal Ipu Notícias . Todos os Direitos Reservado. - Desenvolvido por Fagner Freire